Press "Enter" to skip to content

Transtorno Depressivo Maior – Saiba tudo sobre essa doença mental que atinge mais de 300 milhões de pessoas e se tornará a mais impactante do mundo até 2020

Existem diversos tipos de transtornos mentais, caracterizados por emoções, pensamentos e comportamentos anormais que podem prejudicar consideravelmente a vida de uma pessoa. Entre eles está o Transtorno Depressivo Maior, também conhecido como Depressão, que segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), se tornará a doença mental mais impactante do mundo até 2020.

O que é Transtorno Depressivo Maior?

A tristeza é um sentimento completamente normal quando passamos por eventos desagradáveis ao longo da vida, considerada saudável e importante pelos médicos. No entanto, se esse quadro permanece por um longo período de tempo, não apresentando melhoras e incluindo sentimentos de solidão, vazio e desânimo, ele pode significar um indício de Depressão.

O Transtorno Depressivo Maior atinge mais de 300 milhões de pessoas no mundo, sendo caracterizada por uma tristeza profunda e constante que, quando não tratada, pode evoluir e passar por três estágios: leve, moderada e grave. Essa doença é extremamente séria e preocupante, afetando o humor e as relações sociais do indivíduo, além de alterar seu sono, disposição e funcionamento do sistema imunológico.

Pessoas que sofrem com essa condição costumam experienciar uma sensação de desânimo constante, perdendo a vontade de realizar atividades e hobbies que achavam interessantes antes. Pode-se dizer que a vontade de viver é reduzida, pois o indivíduo não sente alegria ou prazer para nada. Além disso, é possível que medos que não existiam antes surjam num quadro de Depressão, gerando pensamentos negativos que resultam em insegurança e inquietação.

Em geral, as mulheres têm mais chances de desenvolver Transtorno Depressivo Maior, embora que a condição possa afetar qualquer pessoa, de qualquer idade. Acredita-se que a prevalência feminina ocorra por fatores biológicos e hormonais, uma vez que os hormônios afetam diretamente a química cerebral que controla as emoções e o humor.

Sintomas

mulher com mãos no rosto, sofrendo com transtorno depressivo maior

Pessoas que sofrem com Transtorno Depressivo Maior apresentam sentimentos de abandono e insuficiência, acreditando que não têm importância para os outros. Na maioria das vezes, elas tentam se isolar por não compreenderem suas próprias emoções, privando uma possível e necessária ajuda de quem está em volta. Por isso, é importante que a condição seja identificada o quanto antes, podendo ser diagnosticada quando o indivíduo apresenta pelo menos 3 dos seguintes sintomas por um longo período de tempo.

  • Apatia;
  • Perda de motivação;
  • Novos medos;
  • Dificuldades de concentração;
  • Insônia, despertar no meio da noite ou sono excessivo;
  • Insegurança;
  • Indecisão;
  • Sensação de vazio por dentro;
  • Pessimismo constante;
  • Ansiedade;
  • Perda de memória;
  • Irritabilidade;
  • Ganho ou perda de peso significativa;
  • Inquietação;
  • Perda ou aumento de apetite;
  • Indisposição;
  • Perda de libido;
  • Pensamentos negativos e suicidas;
  • Raciocínio lento;
  • Sentimento de culpa ou de não ser importante;
  •  Perda de interesse em atividades que antes achava prazerosas.

Além dos sinais psíquicos citados acima, a pessoa com Transtorno Depressivo Maior pode sofrer com sintomas físicos. As causas para a ocorrência dessas condições ainda são desconhecidas pelos médicos.

  • Dor de barriga;
  • Dor de cabeça;
  • Dor muscular;
  • Sensação de pressão no peito;
  • Tensão sentida nos ombros e na nuca;
  • Flatulência (gases);
  • Azia;
  • Problemas de digestão;
  • Prisão de ventre.

Suicídio e Transtorno Depressivo Maior: Qual a Relação?

mulher sentada no chão, com mãos na cabeça, sofrendo com transtorno depressivo maior

Embora que, na maioria das vezes, o suicídio esteja relacionado ao Transtorno Depressivo Maior, nem todas pessoas com essa condição estão propensas a realizar o ato. No entanto, é importante ressaltar que conforme a gravidade da doença, principalmente quando não tratada, faz com que seja possível a existência de pensamentos suicidas. Além disso, outros fatores também podem influenciar na tendência de tirar a própria vida, como o uso de drogas e álcool, a existência de alguma doença física incapacitante ou terminal, traumas, abusos, entre outros.

Causas

homem com mãos no cabelo, sofrendo com transtorno depressivo maior

As causas exatas do Transtorno Depressivo Maior ainda não são conhecidas, mas existem vários estudos que apontam alterações químicas no cérebro, relacionadas aos neurotransmissores que conduzem impulsos nervosos entre as células. Além disso, um novo exame de imagem cerebral, chamado de Ressonância Nuclear Magnética (MRI), mostra que as partes do cérebro relacionadas ao humor, apetite, comportamento, sono e pensamentos parecem diferentes quando comparados aos cérebros de pessoas sem Depressão.

Em geral, muitos acreditam que as relações sociais prejudicadas são uma consequência do transtorno, no entanto, elas também podem ser uma causa. Além disso, é possível que pessoas com mais predisposição ao estresse também sofram com o problema, ou seja, a genética possui um papel importante no surgimento da condição.

No entanto, diversos outros fatores podem desencadear um quadro de Transtorno Depressivo Maior, conhecidos como gatilhos, incluindo:

  • Traumas e abusos – Pessoas que sofreram abuso sexual, físico ou psicológico têm mais chances de sofrer com Transtorno Depressivo Maior, pois tendem a possuir um psicológico mais vulnerável.
  • Perda causada por morte – A tristeza causada pelo luto de perder um familiar ou amigo exige atenção quando permanece por um longo período de tempo e apresenta outros sintomas, porque, em alguns casos, pode indicar o início de Depressão.
  • Alguns medicamentos – O uso de alguns remédios com elementos químicos como a Isotretinoína, geralmente indicada para o tratamento de acne, e corticoides aumentam as chances de desencadear um quadro de Transtorno Depressivo Maior.
  • Abuso de álcool e outras substâncias – O uso excessivo de bebidas alcoólicas, cigarros e drogas ilícitas é capaz de influenciar no surgimento de um quadro depressivo, estando presente como causa em 30% dos casos de Depressão.
  • Acontecimentos impactantes – Perder o emprego, terminar um relacionamento ou passar por situações difíceis e grandiosas em algum momento da vida podem desencadear o Transtorno Depressivo Maior. No entanto, é importante ressaltar que esses eventos nem sempre estão totalmente relacionados com o surgimento da condição.
  • Doenças primárias – Em alguns casos, a Depressão pode ser causada por outras condições já existentes. Dessa forma, doenças como o câncer ou outras complicações que causam alguma incapacitação e medo de morrer podem estar por trás do transtorno.

Diagnóstico

mulher consultando psiquiatra para diagnosticar transtorno depressivo maior

Se sentir triste, desanimado ou infeliz em algum momento da vida é extremamente normal, pois esses sentimentos fazem parte do ser humano. No entanto, quando eles permanecem por um longo período de tempo, com uma grande intensidade, acompanhados de pensamentos negativos e perda de interesse em tudo, é preciso procurar um médico para investigar a causa do problema, uma vez que ele pode indicar um quadro de Depressão.

O diagnóstico de Transtorno Depressivo Maior consiste em uma análise dos sintomas apresentados pelo paciente. Através desses sinais físicos e emocionais, o médico pode identificar a existência da condição, assim como seu grau de gravidade. Uma breve investigação no histórico familiar e vida pessoal também é feita por meio de perguntas. Além disso, exames de sangue, neurológicos e físicos ao decorrer da consulta podem ser realizados para excluir a possibilidade de doenças físicas.

Os profissionais de saúde que podem diagnosticar o Transtorno Depressivo Maior são:

  • Clínico geral;
  • Psiquiatra;
  • Psicólogo.

Tratamento

médico prescrevendo remédio para transtorno depressivo maior

Uma vez diagnosticado, o Transtorno Depressivo Maior exige um tratamento medicamentoso associado à psicoterapia imediato. De qualquer forma, é importante ressaltar que a terapia pode variar para cada caso, embora que essa condição apresente, quase sempre, sintomas graves que devem ser reduzidos com o uso de medicamentos e acompanhamento psicológico por um longo período de tempo ou pela vida toda.

Antidepressivos

Em geral, os medicamentos costumam fazer efeito após algumas semanas de uso, diminuindo a intensidade dos sintomas. No entanto, por muitas vezes o tratamento deve ser mantido por anos ou por toda a vida, como uma forma preventiva ou de manutenção.

Embora muitas pessoas acreditem que o uso de antidepressivos causa um entorpecimento no indivíduo, isso não ocorre, e a terapia é bastante simples. Esses remédios agem na correção dos desequilíbrios químicos cerebrais existentes em pessoas depressivas e, por isso, são tão importantes para o tratamento.

Psicoterapia

A psicoterapia é extremamente indispensável no tratamento de Transtorno Depressivo Maior, pois ajuda o indivíduo a entender a origem da sua condição, além de dar apoio para que o mesmo saiba controlar suas atitudes e pensamentos, reduzindo os sintomas.

Embora existam diversos tipos de terapias para o tratamento da Depressão, a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) parece ser uma das mais eficazes. Nela, o indivíduo aprende a mudar sua percepção diante de situações que desencadeiam sua condição, alterando e controlando seus pensamentos com o auxílio do terapeuta.

Estilo de vida

O tratamento de Transtorno Depressivo Maior deve ser feito com acompanhamento médico, mas existem alguns métodos não clínicos que podem ser adotados para uma melhor recuperação e estilo de vida.

Segundo estudos, a prática regular de exercícios físicos é capaz de diminuir os efeitos da Depressão, além de proporcionar diversos outros benefícios para a saúde. Isso ocorre porque essas atividades geram a liberação de endorfina e dopamina, hormônios que estão relacionados a sensação de bem-estar, prazer e relaxamento. Portanto, é indicado reservar pelo menos 30 minutos do dia para realizar uma caminhada, corrida ou andar de bicicleta.

Além das atividades físicas, algumas mudanças comportamentais podem proporcionar efeitos bastante positivos no tratamento de Transtorno Depressivo Maior.

Sabe-se que drogas e bebidas alcoólicas podem influenciar negativamente num quadro de Depressão e, por isso, não consumir essas substâncias pode reduzir consideravelmente os sintomas durante o tratamento do transtorno.

Depoimentos

O Transtorno Depressivo Maior é uma doença bastante grave e, por isso, exige tratamento clínico por um longo período de tempo na maioria das vezes. Veja agora o relato de Carolina Santos, professora de inglês de 25 anos que teve sua primeira crise de depressão ainda no ensino médio.

carolina santos

O primeiro ano do ensino médio era algo muito importante para os alunos do último ano do fundamental na minha escola e, por isso, muitas expectativas foram criadas em torno dele. Embora fosse diferente em alguns aspectos, tudo parecia normal na minha turma, um ambiente realmente agradável para se conviver. A grande novidade estava relacionada com as nossas idades, pois naquele ano todas garotas esperavam por suas festas de 15 anos, inclusive eu, que planejava a minha desde criança.

No segundo mês de aula, algumas mudanças ocorreram e eu não sabia explicar o porquê. Lembro que em questão de algumas semanas eu já não me sentia confortável em meio aos meus amigos, o que foi bastante impactante para eles, pois eu comecei a me afastar. 

Sempre fui muito comunicativa, gostava de fazer piadas e animar as pessoas em minha volta. No entanto, isso mudou inesperadamente e eu não achava mais graça em nada. Comecei a ter crises de choro e a me sentir sozinha, com pensamentos ressaltando que eu não era importante ou interessante para ninguém. Minha festa de 15 anos já não significava nada para mim, pois não tinha ânimo para preparar tudo o que minha versão de 9 anos sonhava. 

Depois de algumas semanas me sentindo dessa forma, e sem nenhuma explicação para a maneira como me comportava, minha mãe me levou ao psiquiatra. Poucos meses antes do meu aniversário de 15 anos fui diagnosticada com Depressão, o que pareceu uma surpresa para meus familiares, uma vez que nada que pudesse desencadear a condição havia ocorrido recentemente. Mal sabíamos que essa doença podia surgir em qualquer momento da vida, em qualquer pessoa e, às vezes, sem uma causa totalmente exata. 

Comecei o tratamento com antidepressivos e sessões de psicoterapia, e posso dizer que tive uma grande melhora até meus 18 anos, quando cessei a terapia. Ao longo dos anos passei por algumas crises, mas sempre consegui me recuperar, pois aprendia um pouco mais sobre mim mesma com cada uma delas. Minha última foi há 1 ano, quando terminei meu relacionamento de 3 anos com meu ex-namorado. No início foi bastante difícil, pois não conseguia me sentir boa em nada, incluindo minha vida profissional. Dessa vez, procurei ajuda médica sozinha e acabei encontrando pessoas que me ajudaram muito no processo de recuperação. 

Concluindo, quero dizer que o Transtorno Depressivo Maior faz com que tudo perca o sentido, incluindo a sua própria vida, o que pode parecer sem solução em alguns momentos. Por isso, ressalto a importância do tratamento, tanto medicamentoso quanto psicológico. É preciso sempre procurar por algo que te mantenha saudável, nunca desistindo de ser feliz novamente, pois a vida é extremamente incrível quando você se recupera.” 

Transtorno Depressivo Maior tem Cura?

O Transtorno Depressivo Maior pode ser desencadeado por muitos fatores e, dependendo de cada caso, é possível que exista uma grande melhora com o tratamento certo. Portanto, não é possível dizer que existe uma cura, no entanto, a terapia pode reduzir ou eliminar os efeitos do distúrbio por um tempo indeterminado.

Como Prevenir

Como visto anteriormente, as causas do Transtorno Depressivo Maior são diversas e, em alguns casos, elas podem estar relacionadas a genética ou desequilíbrios cerebrais do indivíduo. No entanto, é possível que alguns gatilhos influenciem no surgimento do problema e, por isso, alguns hábitos podem ser adotados para preveni-lo.

  • Realize atividades do seu interesse. Em meio à todas tarefas do cotidiano, procure um tempo para fazer algo que você goste, como um hobby ou qualquer coisa que proporcione seu lazer.
  • Procure regular o sono, possuindo um horário certo para dormir e acordar. Os distúrbios noturnos são grandes influenciadores do estresse e cansaço diário e, por isso, devem ser evitados ou tratados o quanto antes.
  • Pratique atividades físicas. Os exercícios ajudam no relaxamento da mente e do corpo, aliviando o estresse e a ansiedade, o que pode reduzir as chances de um quadro de Transtorno Depressivo Maior.
  • Faça alguma terapia. Entender nossas emoções pode ser bastante difícil às vezes e, por isso, realizar sessões com um terapeuta pode ser uma boa opção para prevenir o Transtorno Depressivo Maior.
  • Trate doenças físicas. Se caso possua uma doença já existente, procure ter cuidados com o seu tratamento para que ela não afete o seu psicológico. Dessa forma, você também pode prevenir um quadro de Depressão.

 

Fontes:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/brats_18.pdf

http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v58n3/06.pdf

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *