Press "Enter" to skip to content

Síndrome do Pânico ou Transtorno de Ansiedade Generalizada: Como diferenciar?

É bastante difícil não conhecer alguém que sofra com problemas de ansiedade nos dias atuais. O modo de vida agitado dos ambientes urbanos e o estresse diário são os principais desencadeadores do problema, embora que outros fatores, como predisposição genética, também estejam envolvidos.

Para algumas pessoas, os efeitos dessa reação são sentidos de forma mais intensa e duradoura, se tornando até mesmo prejudicial para a saúde e desempenho de vida delas. Nesse caso, quando a ansiedade se torna recorrente e dificulta as atividades diárias do indivíduo, podemos identificar um transtorno de ansiedade.

Existem diversos transtornos de ansiedade, que às vezes acabam sendo confundidos até mesmo com doenças cardíacas ou outras complicações de saúde. Além disso, é possível encontrar muitas dúvidas em relação as semelhanças entre esses distúrbios psicológicos, como, por exemplo, a Síndrome do Pânico e o Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG).

Mas afinal, qual é a diferença entre eles?

Para responder essa pergunta, é preciso entender melhor como eles agem no organismo. Por isso, conheça um pouco mais sobre cada um.

O que é Síndrome do Pânico?

A Síndrome do Pânico é um distúrbio de ansiedade caracterizado por crises de pânico recorrentes e inesperadas, com sensações intensas de medo e desespero, fazendo a pessoa acreditar que está prestes a morrer. Elas podem durar até 30 minutos, ocasionando momentos de terror e chegando ao seu ápice em até 10 minutos.

A grande característica desse transtorno é a imprevisibilidade com que ocorrem os ataques, podendo surgir enquanto o indivíduo está realizando atividades normais, como assistir TV ou tomar banho.

Embora possa atingir qualquer pessoa, de qualquer idade, as mulheres são mais propensas a sofrer com a Síndrome do Pânico. Por isso, acredita-se que as alterações hormonais causadas pelo início da vida fértil estejam relacionadas a prevalência feminina dentro dos casos.

As consequências dessa condição podem ser bastante prejudiciais para a qualidade de vida do indivíduo quando não tratada adequadamente. Algumas pessoas acabam desenvolvendo um medo extremo de sofrer com uma crise no futuro, acreditando que não conseguiriam sobreviver aos sintomas novamente. O chamado “medo de ter medo” é o principal sinal da Agorafobia.

Sintomas

Os sintomas da Síndrome do Pânico são bastante intensos, e por muitas vezes são confundidos com sinais de um ataque cardíaco ou outras complicações de saúde. Além disso, a ideia de que algo trágico irá acontecer faz com que a pessoa ache que irá morrer ou perder a sanidade, o que pode ser assustador até mesmo para quem sofreu com um ataque anteriormente.

Os principais sintomas da Síndrome do Pânico são:

Físicos 

  • Respiração ofegante;
  • Falta de ar e sensação de sufocamento;
  • Suor excessivo;
  • Tremores;
  • Calafrios;
  • Ondas de calor;
  • Boca seca;
  • Náuseas;
  • Dores abdominais;
  • Sentir que a garganta está fechando;
  • Dor no peito;
  • Dormência e formigamento nas mãos, pés ou no rosto;
  • Palpitações;
  • Batimentos cardíacos acelerados;
  • Dificuldade para engolir;
  • Tonturas;
  • Dor de cabeça;
  • Desmaios.

Psicológicos

  • Medo causado pela sensação de que está prestes a morrer;
  • Medo de enlouquecer ou perder o controle;
  • Pensamentos negativos;
  • Desespero;
  • Ansiedade;
  • Sensação de que algo trágico irá acontecer em qualquer momento;
  • Sensação de que está longe da realidade.

Causas

As causas da Síndrome do Pânico ainda são desconhecidas, mas acredita-se que fatores genéticos estejam envolvidos. Além disso, é possível que uma disfunção no sistema de alerta do cérebro também desencadeie o problema, uma vez que o indivíduo se sente ameaçado em situações que não apresentam nenhum perigo. Pessoas mais ansiosas, com predisposição ao estresse ou que sofreram algum trauma de infância também podem sofrer com essa condição.

O que é Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)?

mulher sofrendo com ansiedade generalizada

O Transtorno de Ansiedade Generalizada é um distúrbio psicológico caracterizado pela sensação constante de ansiedade, causando uma preocupação excessiva em relação a atividades comuns. Desse modo, a pessoa passa por muito sofrimento para realizar qualquer tarefa cotidiana, o que acaba atrapalhando o desempenho no trabalho e estudos, além de prejudicar relações sociais, entre outras.

Assim como em outros transtornos de ansiedade, o TAG é mais comum em mulheres do que em homens, devido as alterações hormonais e maior predisposição ao estresse. Além disso, é possível que pessoas que passaram por algum trauma na infância tenham mais chances de desenvolver o problema, assim como aquelas que fazem uso excessivo de algum tipo de substância, como cafeína e nicotina.

Para ser identificado, pelo menos 3 sintomas desse transtorno devem permanecer por mais de 6 meses consecutivos, exigindo um tratamento com acompanhamento médico.

Sintomas

A ansiedade, como visto anteriormente, é uma emoção normal do ser humano, que surge em momentos específicos a fim de deixar o corpo em alerta. Quando essa reação se torna recorrente, surgindo de forma intensa e constante, atrapalhando a concentração do indivíduo, um quadro de ansiedade generalizada pode ser identificado.

Os principais sintomas do Transtorno de Ansiedade Generalizada são:

  • Dificuldade de concentração;
  • Preocupação excessiva;
  • Fadiga;
  • Dificuldades para respirar e sensação de sufocamento;
  • Problemas para adormecer ou permanecer dormindo;
  • Irritabilidade;
  • Angústia;
  • Agitação;
  • Frequência cardíaca acelerada;
  • Tremores;
  • Náuseas;
  • Tonturas;
  • Diarreia;
  • Dor de cabeça;
  • Transpiração excessiva;
  • Aumento da pressão arterial.

Causas

Assim como diversos outros transtornos mentais, o TAG não possui uma causa totalmente exata. No entanto, existem algumas suposições que explicariam o surgimento do distúrbio, como:

  • É possível que o Transtorno de Ansiedade Generalizada esteja diretamente ligado aos neurotransmissores do cérebro humano, como serotonina e dopamina;
  • Genética;
  • Fatores externos, como o estresse cotidiano e estilo de vida da pessoa;
  • Doenças cardíacas;
  • Menopausa;
  • Hipertireoidismo e Hipotireoidismo.

Qual a Diferença?

mulher preocupada por conta do transtorno de ansiedade generalizada

Tanto a Síndrome do Pânico quanto o TAG são transtornos de ansiedade bastante sérios e graves, que exigem um tratamento imediato para reduzir os efeitos negativos que podem causar na vida do indivíduo. No entanto, embora apresentem alguns sintomas semelhantes, esses distúrbios agem de forma diferente.

No TAG, a pessoa sofre constantemente com uma ansiedade intensa, que prejudica a qualidade de vida da mesma por atrapalhar diversas atividades. Nesse caso, o problema permanece por pelo menos 6 meses, sem intervalos.

Na Síndrome do Pânico, a pessoa sofre com crises de pânico que causam um medo extremo de forma inesperada, ou seja, não tem um desencadeante externo. Nesse caso, o indivíduo sente como se estivesse prestes a morrer ou perdendo a sanidade, o que faz aumentar o pânico.

Desse modo, é correto dizer que a grande diferença entre a Síndrome do Pânico e o Transtorno de Ansiedade Generalizada é a forma como eles surgem. Enquanto um é caracterizado por crises de pânico inesperadas, o outro apresenta uma ansiedade constante que pode, eventualmente, influenciar no surgimento de ataques de pânico futuramente.

Fontes:

http://www.scielo.br/pdf/rprs/v31n2/v31n2a02

http://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/atencao-basica/saude-mental/protocolos-da-raps/9217-ansiedade-generalizada/file

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *