Press "Enter" to skip to content

Hipnose para parar de fumar

Aproximadamente 18 milhões de brasileiros cultivam o hábito do cigarro. Segundo a OMS, o cigarro é um dos principais fatores de risco de morte precoce e câncer de pulmão. Os riscos do uso do cigarro são inúmeros e chegam a causar até 5 milhões de mortes ao ano no mundo. Fumar não é um hábito que fácil de largar. Geralmente é acompanhado de crises de mau humor, perda ou ganho de peso e dores de cabeça constantes. Apesar dos efeitos colaterais de largar o vício, existem diversas formas de largar o cigarro. Hoje falaremos sobre uma delas: a hipnose para tentar parar de fumar.

Uma das razões para a hipnose trazer resultados positivos é que o tabagismo é um vício controlado por uma parte da nossa mente que não temos controle: o inconsciente. O hábito de fumar é construído por meio da resposta condicionada – ou seja, o corpo é exposto a um estímulo que produz uma resposta biológica que causa prazer. Em um determinado momento, o individuo não consegue mais parar de fumar cigarros pois o corpo já se habituou com aquele estímulo e naturalizou o comportamento. Ao naturalizar o comportamento quer dizer que o hábito já está no nosso inconsciente e é aí que a hipnose entra. A hipnose tenta descobrir os gatilhos emocionais que causam a vontade de fumar e tenta então, associar o hábito de fumar à repulsa.

 

Ambiente escuro com homem acendendo cigarro.

O que é?

A hipnose é um método de indução pela própria pessoa ou por terceiros que reduz a atenção do paciente e a consciência periférica. Essa prática torna a pessoa mais capacitada e vulnerável a seguir sugestões do hipnotizador. A hipnose começou a ser mais aceita no ano de 1997, quando Henry Szechtman, psiquiatra norte-americano, fez um experimento com 8 pessoas. Todas foram vendadas e condicionadas a escutarem uma gravação que repetia uma mesma frase diversas vezes. O psiquiatra então desligou a gravação e hipnotizou o grupo e disse que tocaria a fita novamente. Todos os voluntários afirmaram terem escutado a fita uma segunda vez, apesar do médico não ter tocado fita nenhuma. O médico então percebeu, por meio de monitoramento do cérebro dos voluntários, que a atividade neurológica durante a gravação e a alucinação coletiva era a mesma.

Para a neurociência, a hipnose é um fenômeno neurológico que altera o estado normal de uma pessoa. Historicamente, a ciência tratou a hipnose como pseudociência – que é tudo que usa a credibilidade científica, mas sem usar os métodos científicos para ser comprovado – até que Henry Szechtman quebrou o paradigma ao realizar o seu experimento de hipnose coletiva. Até mesmo Freud, pai da psicanálise, usou muita hipnose durante o começo da sua carreira, principalmente em casos de histeria. Só então posteriormente escreveria seus ensaios mais famosos. Apesar de ter sido tratada como pseudociência, a hipnose ainda é uma prática muito realizada, mesmo atualmente. Geralmente é realizada por psicoterapeutas especializados em hipnose.

Para que serve?

Já que atinge o subconsciente do individuo, a hipnose é muito usada para abandonar hábitos destrutivos, melhorar os sintomas de ansiedade, melhorar a qualidade do sono, melhorar a concentração, descobrir origem de traumas e determinadas situações psicológicas. Normalmente quando o caso é mais clínico e envolve traumas psicológicos, a hipnose é feita por um profissional da psicologia. Somente ele tem a capacidade de hipnotizar o paciente e induzi-lo a regredir e descobrir a raiz dos traumas.

Já que o paciente está em um estado neurológico mais vulnerável, o psicoterapeuta pode induzir mudanças de comportamentos através de sugestão. A sugestão na hipnose é uma forma de induzir o paciente a ter uma introspecção nos pensamentos e até mesmo na imaginação para simular ou fazer surgir sensações, sentimentos e lembranças. Em casos de hipnose para parar de fumar, o estado hipnótico e o hipnotizador irão sugestionar questões que envolvam a sensação de fumar e os riscos envolvidos. As sugestões muito provavelmente despertarão lembranças e criarão sensações referentes à repulsa de fumar. Um exemplo comum é o psicoterapeuta responsável pela hipnose sugerir que fumar remete às sensações desagradáveis de boca seca, sede e até mesmo fadiga.

David Spiegel, psiquiatra famoso da Universidade de Stanford e especialista em hipnose clínica desenvolveu um método prático de hipnose para parar de fumar. Os três passos do tratamento são as sugestões do hipnotizador ao paciente, que são:

  • Fumar intoxica o seu corpo
  • Você precisa do seu corpo para sobreviver
  • Você deve respeitar e proteger o seu corpo enquanto estiver vivo

Essas três sugestões são essenciais para o paciente, que desenvolve certa repulsa pelo cigarro e para de fumar.

Funciona?

Não é possível afirmar que somente a hipnose pode ajudar a parar de fumar. O fumo é um vício  criado em cima de diversos fatores, como a dependência química e a dependência psicológica. Definitivamente, para largar o cigarro é necessário diversas mudanças de hábitos, como alimentação e a prática de exercícios físicos. Porém, a hipnose pode ser muito útil no amparo psicológico ao dependente de cigarro. Muitos especialistas afirmam que o vício tem origem no emocional, portanto, a hipnose pode ser uma das melhores formas de descobrir a raiz do problema e tratá-lo para acabar com o vício em cigarros.

Onde encontrar?

É possível encontrar clínicas voltadas para o tratamento psicológico com especialistas em hipnose. É possível encontrar também em alguns canais de YouTube, onde psicoterapeutas e profissionais da área fazem vlogs de hipnose.

Quanto custa?

Varia conforme a linha de atuação do profissional. Os preços variam  de R$500, R$800, R$1.200 e R$2.500, conforme a linha de atuação e o profissional escolhido. Busque por centros especializados em hipnose e lembre-se de que somente um profissional da área da psicologia pode fazer o tratamento usando hipnose.

Cigarro queimando em um ambiente escuro.

 

Fontes:

https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/smoking-prevalence-disease/

http://www1.inca.gov.br/situacao/arquivos/causalidade_tabagismo.pdf

https://www.sp-ps.pt/downloads/psicologia-e-tabagismo.pdf

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *