Press "Enter" to skip to content

O Bullying que Mata aos Poucos

Embora pareça algo distante e isolado, o Bullying está cada vez mais presente nas escolas, sendo também intensificado através de agressões virtuais. No Brasil, os dados são alarmantes, uma vez que um em cada dez estudantes é vítima frequente do problema, segundo o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa).

A partir disso, diversas consequências de longo prazo acometem suas vítimas, se tornando graves o suficiente para desenvolver um comportamento suicida. De acordo com uma pesquisa publicada pelo Canadian Medical Association Journal, essa associação está cada vez mais recorrente.

No estudo, a saúde mental de crianças nascidas entre 1997 e 1998 foi acompanhada por 15 anos, com o intuito de mostrar os efeitos da exposição a esse tipo de agressão. Os resultados indicaram que o grupo vítima desse comportamento teve duas vezes mais chances de sofrer com depressão, três vezes mais propensão de relatar ansiedade e 3,5 vezes mais chances de desenvolver pensamentos suicidas ou tentar o ato em si em comparação aos outros grupo.

Para entender melhor por que o Bullying é um problema que mata aos poucos, é preciso primeiramente conhecer suas características. Veja a seguir o que é Bullying, suas consequências e saiba como identificar um alvo para combater o problema:

O que é Bullying?

criança sendo humilhada por colegas de aula

Desde meados de 1990, o termo “Bullying”, originário da língua inglesa, é usado para definir a prática de agressões verbais ou físicas contra uma pessoa ou grupo que têm poucas chances de se defender, a fim de agredir e intimidar, com uma postura superior de opressor para oprimido. Essas atitudes geralmente ocorrem de forma repetitiva e intencional, causando medo, baixa autoestima e uma série de inseguranças na vítima, que podem evoluir para um quadro mais grave, gerando consequências permanentes no futuro.

A partir disso, pode-se dizer que o Bullying é caracterizado por qualquer ação recorrente que tenha como objetivo ofender, machucar e humilhar outra pessoa. Dessa forma, o termo pode ser usado quando há a presença de:

  • Xingamentos;
  • Apelidos pejorativos;
  • Ameaças;
  • Intimidações;
  • Qualquer tipo de discriminação;
  • Isolamento social;
  • Ataques e agressões físicas;
  • Contato físico indesejado;
  • Invenção de boatos;
  • Episódios de humilhação pública;
  • Roubo ou destruição de objetos pessoais.

Além desses exemplos, é importante ressaltar novamente que qualquer prática intencional que cause o sofrimento alheio de forma repetitiva, principalmente em ambientes como escola, trabalho ou até mesmo na internet, é considerada uma forma de Bullying e deve ser combatida imediatamente.

O que é Cyberbullying?

menina sofrendo com cyberbullying

Com o surgimento da internet, o Bullying ganhou novas formas de atingir tanto adultos quanto crianças. O Cyberbullying ocorre quando as agressões recorrentes acontecem no mundo virtual e acabam gerando efeitos na vida real da vítima.

Calúnias, rumores, fotos constrangedoras e xingamentos online contra uma pessoa são geralmente influenciados e fortificados por conta da possibilidade de anonimato e distanciamento proporcionada pela internet, fazendo com que a tela de um computador, perfis falsos e contas fictícias de e-mail se tornem uma ilusão de que o autor nunca será descoberto.

No entanto, é importante ressaltar que embora seja um tanto difícil de se identificar, tudo na internet deixa rastro, até mesmo publicações ofensivas excluídas em redes sociais. Por isso, registrar crimes online através de denúncias é uma forma eficiente de acabar com o problema, uma vez que embora a vítima não saiba quem está por trás da agressão, medidas podem ser tomadas e o agressor poderá ser punido.

Presente em todos Lugares: Bullying no Trabalho

mulher sofrendo com bullying no trabalho

A prática de Bullying é algo extremamente sério e pode gerar consequências muito graves nas vítimas. É importante ressaltar que embora seja mais comum nas escolas, o problema pode ocorrer em todos os lugares, incluindo a área profissional.

Piadas, preconceitos indiretos, apelidos insultuosos, entre outros podem até parecer como brincadeiras de trabalho, mas precisam ter um limite a partir do momento em que se tornam frequentes e prejudicam a saúde emocional do indivíduo, fazendo com que ele se sinta incomodado ou envergonhado.

O Bullying no trabalho é, por muitas vezes, dificilmente identificado, uma vez que a vítima geralmente prefere não demonstrar ou comentar seu desconforto perante as situações de humilhação. Por isso, é muito importante saber observar os comportamentos presentes na área de trabalho e tentar ajudar quem sofre com o problema, uma vez que as consequências do problema podem ser bastante graves tanto para a pessoa quanto para a empresa em que ela trabalha.

Que consequências essas Práticas podem trazer?

menino sentado no chão, ao lado da escola, triste por sofrer bullying

As consequências geradas por conta do Bullying são diversas, uma vez que o problema pode afetar a saúde mental do indivíduo de forma bastante grave, causando complicações como isolamento, baixa autoestima,  dificuldades em criar ou manter relações sociais, ataques de pânico e ansiedade, tendência à depressão, comportamentos violentos, insônia, distúrbios alimentares, consumo exagerado e álcool e drogas ilícitas, entre outros.

Quando ocorre na escola, a vítima pode também perder o interesse nas atividades, o que resulta na queda de seu desempenho, trazendo mais problemas tanto para si quanto para o ambiente em que está inserida. Maior número de faltas, sensações de medo, dificuldades em interagir com crianças da sua mesma idade por conta de inseguranças e timidez são apenas algumas das consequências. A partir disso, diversos outros efeitos podem surgir, como, por exemplo, automutilação e, em caso de um quadro avançado de depressão, suicídio.

E quais são as Consequências para quem as pratica?

menino intimidando o colega de sala de aula

O Bullying é um problema que afeta não só a vítima, mas também o agressor, uma vez que o mesmo também sofre com consequências na vida adulta. A partir disso, um estudo publicado na revista Psychological Science, no qual 300 homens foram acompanhados desde a escola primária até os 30 anos de idade, mostrou que, 20 anos depois, os integrantes que praticaram Bullying eram mais propensos a fumar tabaco, usar drogas, passar por situações de estresse e desenvolver comportamentos agressivos.

Em geral, o autor das atitudes ofensivas costuma viver em um ambiente familiar irresponsável, onde as agressões verbais ou físicas são presentes. Além disso, é importante ressaltar que a ausência de limites impostos pelos pais também influencia no surgimento do comportamento agressivo, assim como a busca de por popularidade na escola.

Como Identificar o alvo do Bullying?

menino sendo alvo de bullying

Por muitas vezes, o Bullying acaba sendo silenciado, principalmente quando acontece em escolas. Isso ocorre porque os alunos temem ser as próximas vítimas, não relatando as agressões para a direção da instituição. Dessa forma, cabe tanto a escola quanto aos pais observar o comportamento de seus filhos, se tornando mais próximos dos mesmos.

Em geral, uma criança que é alvo do Bullying apresenta os seguintes sinais:

  • Tristeza sem motivo e apatia;
  • Baixa autoestima;
  • Medo de ir à escola;
  • Maior número de faltas;
  • Isolamento social, evitando o contato com outras pessoas;
  • Queda no desempenho escolar;
  • Mudança de hábitos sem explicação aparente.

Como combater o Bullying?

crianças felizes correndo na escola

Para combater o Bullying, é preciso haver uma conscientização sobre o problema e suas consequências tanto na escola quanto no ambiente familiar. Como visto anteriormente, o problema costuma ser silenciado tanto pelos colegas quanto pela vítima e, por isso, criar laços de confiança com os filhos é a base de uma boa comunicação, gerando a possibilidade de agir rapidamente contra qualquer tipo de complicação escolar que a criança estiver passando.

É importante ressaltar que a escola também tem um papel importante na prevenção e combate do problema, pois deve conversar e punir ações intoleráveis no ambiente escolar. No Brasil, a Lei nº 13.185, de 6 de novembro de 2015 institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). A partir disso, é preciso que os professores e diretores da instituição observem o comportamento dos estudantes, tendo o dever de promover campanhas de conscientização e desenvolver planos de prevenção e combate a todos tipos de violência ou constrangimento físico e psicológico cometidos por qualquer integrante da comunidade escolar.

Fontes:

http://www.cmaj.ca/content/190/2/E37

https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0956797617697700?journalCode=pssa

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *